A praga da burocracia
11 de abril de 2012 16:37

Marcos Cintra

A empresa de consultoria Grant Thornton produz, periodicamente, o relatório International Business Report (IRB) para mostrar o principal entrave para a expansão dos negócios em vários países. O levantamento é realizado junto a executivos e contempla questões como falta de mão de obra qualificada, carência de infraestrutura, custo de financiamento, burocracia e escassez de capital de giro.

No Brasil, o item que mais limitará o crescimento das empresas em 2012, segundo o mais recente estudo, será a burocracia. Ela será um entrave para 46% dos executivos entrevistados, ficando acima da média mundial, que é de 37%. O país onde esse fator menos preocupa é a Finlândia (6%).

A burocracia é uma praga que contamina o meio empresarial e o maior expoente dessa excrescência reside na área tributária. É impressionante como as regras fiscais proliferam no País. Essas ações insanas criam uma estrutura cada vez mais complexa, impossível de ser digerida, gerando custos para as empresas e tornando o sistema cada vez mais vulnerável à corrupção.

Entender a confusa legislação tributária no Brasil é uma tarefa difícil até para os mais experientes tributaristas. A complexidade tributária no País é uma anomalia cada vez mais resistente. A produção de regras não cessa e torna a vida do contribuinte um inferno. Há uma proliferação insana de leis, decretos, medidas provisórias, emendas, normas complementares, entre outros instrumentos jurídicos, que acabam impondo pesados custos aos contribuintes, sobretudo às empresas.

Um levantamento do Banco Mundial, comparando o tempo que as empresas gastam para apurar tributos em vários países, revela dados impressionantes sobre a situação ridícula da estrutura de impostos brasileira. Uma empresa submetida à legislação tributária no País gasta por ano 2.600 horas (equivalente a 108 dias e oito horas) com a burocracia nos três níveis de governo, enquanto que a média mundial é de 1.344 horas (equivalente a 56 dias no ano). No Chile são necessárias 316 horas; na China, 872; na Índia, 272; na Rússia, 448; e, na Argentina, 615. Essa discrepância absurda é, seguramente, um dos fatores mais significativos para o comprometimento da competitividade da produção no Brasil.

O viés burocrático faz da estrutura tributária brasileira um monstrengo cada vez mais horripilante. Um exemplo claro nesse sentido refere-se ao que ocorreu nos últimos anos com dois impostos: PIS/Cofins e CPMF. O primeiro passou a ser cobrado parte sobre o faturamento e parte sobre o valor agregado, gerando uma calamitosa proliferação de procedimentos regulatórios e o segundo que era simples, transparente, sem custo para o governo ou para o contribuinte e altamente produtivo na arrecadação, foi sumariamente trucidado.

Na questão tributária o País precisa mudar paradigmas em vez de aprofundar seus defeitos, como a burocracia pública insiste em fazer. O potencial da economia brasileira tem uma dificuldade enorme para ser concretizado, e isso, em boa parte, decorre de uma visão que repele o simples e assimila o complexo.

_________________________________________________________________________

Marcos Cintra é doutor em Economia pela Universidade Harvard (EUA), professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas.

www.marcoscintra.org / mcintra@marcoscintra.org

Comentários estão fechados

Comente diretamente no seu Facebook

Outras Notícias

  • Tributária



    Parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior

    Regulamentado o parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior A Lei nº 12.865, publicada em 10 de outubro de 2013, instituiu parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros auferidos por controlada ou coligada no exterior. As regras, os prazos e as condições estão regulamentados pela Portaria Conjunta da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nº 9, publicada no Diário Oficial de hoje. O que [...]

    Leia mais →
  • Tributária



    Espírito Santo – Contribuintes ganham mais tempo para se defender de autuações

    Os constantes investimentos em tecnologia pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) trazem mais uma vantagem aos contribuintes: as empresas passam a contar com 15 dias a mais para se defender em caso de autos de infração lavrados pela Receita Estadual. Para isso, elas devem ser cadastradas na Agência Virtual (AGV) e fazer adesão ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTE), ferramenta que acaba de ser disponibilizada. A gerente de Tributação da secretaria, Maria Teresa Siqueira Lima, explica que, conforme a legislação, [...]

    Leia mais →
  • Adm. Tributária



    Santa Catarina altera dispositivo acerca da concessão de crédito presumido nas operações com aço

    O Estado alterou disposição acerca da concessão de crédito nas operações com aço. Assim, quando o estabelecimento industrial adquirir matéria-prima, relacionada na legislação, recebendo-a diretamente da usina produtora ou de outro estabelecimento da mesma usina produtora ou de empresa interdependente desta, poderá se beneficiar do crédito conforme especificado na legislação. (Decreto nº 2.151/2014 – DOE SC de 23.04.2014) via:: NETIOB ::.

    Leia mais →
  • Adm. Tributária



    Governo de AL eleva número de parcelas para o pagamento do IPVA

    O Governo de Alagoas editou norma para dar nova redação ao art. 17 da Lei nº 6.555/2004 e elevar até 6 o número de parcelas para o pagamento anual do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). A  alteração ora efetuada produzirá efeitos após 60 dias contados da publicação da  norma em fundamento. (Lei nº 7.912/2014 – DOE AL de 24.04.2014). via:: NETIOB ::.

    Leia mais →
  • Adm. Tributária



    Recife concede alíquota específica para recolhimento antecipado do ITBI

    Por meio do ato em fundamento, o Fisco municipal alterou, em 24.04.2014, o art. 8º da Lei nº 17.904/2013, dilatando o período de 1º.01 para 15.05.2014, para fins de aplicação da alíquota de 1,8% por contribuinte que optar por realizar o recolhimento do imposto antecipado do Imposto sobre a Transmissão Onerosa Inter Vivos de Bens Imóveis e de Direitos a eles Relativos (ITBI), prevista no parágrafo único do art. 52 da Lei nº 15.563/1991. (Lei nº 17.805/2014 – DOM Recife [...]

    Leia mais →
  • Tributária



    Reajustes do ISS superam 100% e geram queixas

    Depois do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), chegou a vez de contribuintes de Fortaleza prepararem o bolso para gastar mais com o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN). Profissionais autônomos da cidade que atuam em diversas atividades já receberam da Prefeitura os boletos de 2014 com reajuste. Há aumentos que superam 100%. Os novos valores estão sendo considerados abusivos pelos trabalhadores e deverão gerar, nos próximos dias, várias reclamações na sede da Secretaria de Finanças de Fortaleza (Sefin), [...]

    Leia mais →
  • RSS
  • Facebook
  • Twitter