TABELAS SIMPLES GAÚCHO 2012
12 de março de 2012 17:19

SIMPLES GAÚCHO – ALTERAÇÃO NOS BENEFÍCIOS

O Governo Estadual, através da Lei nº 13.875, de 28 de dezembro de 2011, alterou os percentuais de benefício do SIMPLES GAÚCHO, A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012.

Os benefícios do SIMPLES GAÚCHO passam a ser os seguintes:

As empresas estabelecidas no Estado do Rio Grande do Sul e enquadradas no SIMPLES NACIONAL, instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, cuja receita bruta acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao do período de apuração seja igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais), SERÃO isentas do pagamento do ICMS.

Entretanto, quando a receita bruta acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao período de apuração seja superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 2.520.000,00 (dois milhões e quinhentos e vinte mil reais), pagarão o ICMS previsto nos Anexos I e II da Lei Complementar nº 123/2006, reduzido dos percentuais a seguir:

 

Receita Bruta em 12 meses (em R$)

reDUÇÃO DO ICMS

De R$    360.000,00  A  R$   540.000,00

43,78%

De R$    540.000,01  a  R$   720.000,00

41,41%

De R$    720.000,01  a  R$   900.000,00

27,52%

De R$    900.000,01  a  R$ 1.080.000,00

29,08%

De R$ 1.080.000,01  a  R$ 1.260.000,00

22,54%

De R$ 1.260.000,01  a  R$ 1.440.000,00

19,86%

De R$ 1.440.000,01  a  R$ 1.620.000,00

18,57%

De R$ 1.620.000,01  a  R$ 1.800.000,00

17,74%

De R$ 1.800.000,01  a  R$ 1.980.000,00

20,12%

De R$ 1.980.000,01  a  R$ 2.160.000,00

19,35%

De R$ 2.160.000,01  a  R$ 2.340.000,00

17,39%

De R$ 2.340.000,01  a  R$ 2.520.000,00

16,67%

 

Considerando os percentuais de redução antes referidos, as alíquotas de ICMS constante do Anexo I (Comércio) e do Anexo II (indústria),  da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, aplicáveis a partir de 1º de dezembro de 2012, às empresas enquadradas no Simples Nacional, no Estado do Rio Grande do Sul, são as a seguir calculadas:

 

Receita Bruta em 12 meses (em R$)

ALÍQUOTA DO ICMS

percentual de redução

PERCENTUAL TRIBUTÁVEL

ALÍQUOTA DEVIDA

Até R$ 180.000,00

1,25%

100,00%

0,00%

0,00%

De R$    180.000,01 a R$   360.000,00

1,86%

100,00%

0,00%

0,00%

De R$    360.000,01 a R$   540.000,00

2,33%

43,78%

56,22%

1,31%

De R$    540.000,01 a R$   720.000,00

2,56%

41,41%

58,59%

1,50%

De R$    720.000,01 a R$   900.000,00

2,58%

27,52%

72,48%

1,87%

De R$   900.000,01 a R$ 1.080.000,00

2,82%

29,08%

70,92%

2,00%

De R$ 1.080.000,01 a R$ 1.260.000,00

2,84%

22,54%

77,46%

2,20%

De R$ 1.260.000,01 a R$ 1.440.000,00

2,87%

19,86%

80,14%

2,30%

De R$ 1.440.000,01 a R$ 1.620.000,00

3,07%

18,57%

81,43%

2,50%

De R$ 1.620.000,01 a R$ 1.800.000,00

3,10%

17,74%

82,26%

2,55%

De R$ 1.800.000,01 a R$ 1.980.000,00

3,38%

20,12%

79,88%

2,70%

De R$ 1.980.000,01 a R$ 2.160.000,00

3,41%

19,35%

80,65%

2,75%

De R$ 2.160.000,01 a R$ 2.340.000,00

3,45%

17,39%

82,61%

2,85%

De R$ 2.340.000,01 a R$ 2.520.000,00

3,48%

16,67%

83,33%

2,90%

De R$ 2.520.000,01 a R$ 2.700.000,00

3,51%

-

-

3,51%

De R$ 2.700.000,01 a R$ 2.880.000,00

3,82%

-

-

3,82%

De R$ 2.880.000,01 a R$ 3.060.000,00

3,85%

-

-

3,85%

De R$ 3.060.000,01 a R$ 3.240.000,00

3,88%

-

-

3,88%

De R$ 3.240.000,01 a R$ 3.420.000,00

3,91%

-

-

3,91%

De R$ 3.420.000,01 a R$ 3.600.000,00

3,95%

-

-

3,95%

 

Os benefícios da redução nos percentuais ora comentado, não se aplicam às seguintes hipóteses (inciso XIII, do parágrafo 1º do artigo 13 da Lei Complementar Federal nº 123/2006), salvo disposição expressa em regulamento:

a) nas operações ou prestações sujeitas ao regime de substituição tributária;

b) por terceiro, a que o contribuinte se ache obrigado, por força da legislação estadual ou distrital vigente;

c) na entrada, no território do Estado ou do Distrito Federal, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, bem como energia elétrica, quando não destinados à comercialização ou industrialização;

d) por ocasião do desembaraço aduaneiro;

e) na aquisição ou manutenção em estoque de mercadoria desacobertada de documento fiscal;

f) na operação ou prestação desacobertada de documento fiscal;

g) nas operações com mercadorias sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, bem como o valor relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal, nos termos da legislação estadual ou distrital.

Os benefícios da redução nos percentuais ora comentado são de adoção facultativa pelo contribuinte, não podendo ser cumulados, na hipótese de sua adoção, com qualquer outro benefício.

Através de decreto o governo do estado deverá regulamentar a Lei ora comentada, que foi publicada no Diário Oficial do Estado de 29 de dezembro de 2011, quando entrou em vigor, produzindo efeitos a partir de 1º de janeiro de 2012.

via11 – DISPÕE SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE PAGAMENTOS DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE.

Comentários estão fechados

Comente diretamente no seu Facebook

Outras Notícias

  • Tributária



    Parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior

    Regulamentado o parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior A Lei nº 12.865, publicada em 10 de outubro de 2013, instituiu parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros auferidos por controlada ou coligada no exterior. As regras, os prazos e as condições estão regulamentados pela Portaria Conjunta da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nº 9, publicada no Diário Oficial de hoje. O que [...]

    Leia mais →
  • Trab. Previdência



    HIPÓTESES LEGAIS DE SAQUE DO PIS NÃO SÃO TAXATIVAS

    Decisão é da Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais É possível a aplicação do artigo 20, inciso VIII, da Lei 8.036/90, por analogia, para autorizar o saque de valores do PIS depositados na conta de trabalhador em comprovada situação de desemprego involuntário há mais de três anos. Assim decidiu a Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU), reunida na quarta-feira (09/04), ao julgar o pedido de reforma de acórdão da Turma Recursal do Distrito Federal, que [...]

    Leia mais →
  • Legislação



    Destaques do Diário Oficial da União de 17/04/2014

    Destaques do Diário Oficial da União MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Juazeiro do Norte (CE) recebe R$ 9,4 milhões para reconstrução de danos causados por enxurradas MINISTÉRIO DA FAZENDA Fazenda autoriza reajuste nas apostas da Megassena, Lotofácil e Quina MME Aneel disciplina encargo tarifário da Conta de Desenvolvimento Energético – CDE e a CONTA-ACR MEC Mais 27 cursos de graduação foram reconhecidos pelo Ministério da Educação MCTI Criada a Rede Brasileira de Centros de Recursos Biológicos MDA Incra reconhece terras de [...]

    Leia mais →
  • Adm. Tributária



    Ratificados convênios ICMS sobre benefícios e débitos fiscais e substituição tributária

    O Ato Declaratório SE/Confaz nº 3/2014 (DOU de 17/04/2014), ratifica os Convênios ICMS nºs 37 a 44/2014, que dispõem sobre isenção, base de cálculo reduzida, dispensa, redução e parcelamento de débitos fiscais e substituição tributária nas operações com produtos farmacêuticos.

    Leia mais →
  • Tributária



    TJ-SP limita juros de mora à taxa Selic

    Decisões recentes do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) têm confirmado que os juros de mora aplicados pelo Estado não podem ultrapassar o valor da taxa Selic nas cobranças de dívidas fiscais. Os acórdãos seguem o que foi determinado pelo Órgão Especial do TJ-SP, em fevereiro de 2013. Na ocasião, os desembargadores consideraram inconstitucional a previsão da Lei nº 13.918, de 2009, que elevou os juros de mora para 0,13% ao dia. Apesar disso, advogados afirmam que o entendimento [...]

    Leia mais →
  • Tributária



    Tecnologia VoIP fica isenta de impostos

    Fabiana Barreto Nunes Por não constar na lista anexa da LC 116/03 e ser considerado serviço de valor adicionado à função de voz oferecido pela internet não incide os impostos Uma empresa de telecomunicações conseguiu na Justiça de São Paulo, em uma ação preventiva, a isenção do Imposto sobre Serviços (ISS) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a prestação de serviço VoIP (Voice Over Internet Protocol). A falta de previsão legal clara sobre a descrição [...]

    Leia mais →
  • RSS
  • Facebook
  • Twitter