A IMPORTÂNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS/FINANCEIRAS.
5 de setembro de 2011 19:28

Autor:Roberto Lavina

Fontes: Leis 11.638/2007 e 11.941/2009

As demonstrações contábeis e financeiras são os instrumentos mais importantes para a tomada de decisões de uma organização, bem como para a informação da “saúde” destas,e também para a avaliação de pretensos investidores e dos investidores em si,quando se tratar de companhia aberta.

É através das demonstrações contábeis e financeiras, que uma organização se habilita junto a uma instituição bancária com o propósito de auferir financiamentos, quaisquer sejam as modalidades solicitadas, haja vista ser a mesma o instrumento de medição da capacidade de contrair e posteriormente de pagamento da organização pleiteante.

É o instrumento que os fornecedores utilizam para o estabelecimento de créditos e verificação da capacidade de pagamento.

O bom gestor não poderá se furtar de buscar subsídios para a sua organização, dentro das demonstrações contábeis e financeiras, sob pena de ver as tomadas de decisões, produzirem resultados de forma negativa.

De acordo com as Leis nºs 11.638/07 e 11941/09 as demonstrações contábeis financeiras são compostas por:

a) Balanço Patrimonial;
b)
Demonstração de Lucros ou Prejuízos acumulados;
c)
Demonstração do resultado do exercício;
d)
Demonstração do fluxo de caixa;
e)
Demonstração do valor adicionado, quando se tratar de companhia aberta;

Devem compor ainda as demonstrações;

a)      Indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior;
b)     Notas explicativas e ou outros quadros analíticos ou demonstrações contábeis necessários para o esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício;
c)      As notas explicativas devem:

- apresentar informações sobre a preparação das demonstrações e das práticas contábeis aplicadas nos negócios e eventos significativos;
- divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotados no Brasil;
- fornecer informações adicionais que não estejam informadas nas demonstrações;
- indicar os critérios para avaliação dos elementos patrimoniais;
- indicar os investimentos em outras sociedades quando relevantes;
- indicar o aumento de valor de elementos do ativo, fruto de novas avaliações;
- indicar os ônus reais sobre ativos, garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades;
- indicar taxa de juros, datas de vencimentos e garantias a longo prazo;
- indicar número, espécie e classes das ações do capital social quando for o caso;
- indicar as opções de compra de ações outorgadas quando for o caso;
- indicar os ajustes de exercícios anteriores;
- indicar os eventos subsequentes à data de encerramentodo exercício que tenham, ou que possam a vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia;

Sobre as Demonstrações Contábeis e Financeiras:

BALANÇO PATRIMONIAL – está dividido em Ativo e Passivo.

ATIVO – representam os bens e os direitos de uma organização, composto pelas Disponibilidades (Caixa, Bancos), créditos junto a Clientes, Investimentos, Imobilizados, Intangíveis.

PASSIVO – são as obrigações das organizações, para com fornecedores, instituições bancárias, fisco etc.. Ficam também demonstradas no Passivo as contas do Patrimônio líquido, caso este não esteja a descoberto.

DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS – discrimina o saldo do início do período, os ajustes de exercícios anteriores e a eventual correção do saldo inicial. Deverão ser discriminadas ainda as reversões de reservas e o lucro líquido do exercício, as transferências para reservas, os dividendos a parcela dos lucros incorporada ao capital e o saldo ao fim do período.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – nesta demonstração são discriminadas:      – as receitas brutas das vendas e dos serviços, as deduções de vendas, os abatimentos e os impostos.

- as receitas líquidas das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto;
- as despesas com vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais;
- o lucro ou prejuízo operacional,as outras receitas e as outras despesas;
- o resultado do exercício antes do Imposto sobre a renda e a provisão par o imposto;
- as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias;
- o lucro ou prejuízo líquido do exercício.

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA E DO VALOR ADICIONADO:

DO FLUXO DE CAIXA – indica as alterações ocorridas, durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, suprimindo-se as alterações provenientes de operações, financiamentos e investimentos.

DO VALOR ADICIONADO: indicará o valor da riqueza gerada pela organização e a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, bem como a parcela que não foi distribuída.

Como podemos constatar temos através das demonstrações contábeis financeiras, um “raio-X”, um “dossiê” completo das organizações, pelas quais podemos diagnosticar o “status” das mesmas.

O gestor que não utiliza as demonstrações contábeis financeiras na administração de sua organização,fatalmente a levará ao fracasso. É imprescindívelque se faça o uso destas no dia a dia da organização, como um instrumento primordial de auxílio a administração, visando uma profícua gestão empresarial.

viaA IMPORTÂNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS/FINANCEIRAS | Amaral & Associados Advogados.

Comentários estão fechados

Comente diretamente no seu Facebook

Outras Notícias

  • Tributária



    Parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior

    Regulamentado o parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros no exterior A Lei nº 12.865, publicada em 10 de outubro de 2013, instituiu parcelamento de débitos do IRPJ e da CSLL incidentes sobre os lucros auferidos por controlada ou coligada no exterior. As regras, os prazos e as condições estão regulamentados pela Portaria Conjunta da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nº 9, publicada no Diário Oficial de hoje. O que [...]

    Leia mais →
  • Legislação



    Destaques do Diário Oficial da União de 16/04/2014

    Destaques do Diário Oficial da União MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES ANTT estabelece a sistemática de identificação dos passageiros dos serviços de transportes MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Governo reconhece situação de emergência de 14 municípios sergipanos atingidos pela seca MMA Divulgada nova lista das espécies da flora e fauna em perigo de extinção MEC Mais cursos superiores de graduação foram autorizados pelo Ministério da Educação MFZ Portaria autoriza ajuste de juros em crédito do BNDES e pela Finep PR Anac divulga classificação [...]

    Leia mais →
  • Adm. Tributária



    Alterada a suspensão do IPI e a não incidência do PIS/Cofins na exportação

    Diário Oficial da União publica hoje a IN RFB 1.462, que altera os arts. 2º, 6º e 7º da Instrução Normativa RFB nº 1.152/2011, a qual dispõe sobre a suspensão do IPI e a não incidência da contribuição para o PIS/Cofins na exportação de mercadorias.

    Leia mais →
  • Tributária



    Empresários de Rio Preto são condenados por sonegar R$ 1,2 mi

    Allan de Abreu A Justiça Federal condenou os rio-pretenses Valder Antônio Alves, o Macaúba, e Vinicius dos Santos Vulpini a três anos e dez meses de prisão em regime fechado por crime contra a ordem tributária. Ambos foram apontados como os donos da Fri Norte Comércio e Indústria de Carnes, empresa de fachada que sonegou R$ 1,29 milhão em impostos em um megaesquema de fraude fiscal no comércio de carnes da região investigado pela Polícia Federal na Operação Grandes Lagos. [...]

    Leia mais →
  • Tributária



    Imposto de Renda: Assinatura digital agiliza processos

    A jornalista Rosane de Souza teve de enfrentar o temor do Fisco ao cair na malha fina, em 2010, por conta dos ganhos auferidos em uma causa trabalhista. O juiz determinou o pagamento de R$ 313.954; a advogada ficou com honorários de R$ 91.337, relativos a 30% do total; o INSS abocanhou R$ 9.495; e o imposto de renda reteve R$ 61.459. Ao fazer a declaração no exercício de 2010, ano calendário 2009, Rosane declarou todos esses descontos e um [...]

    Leia mais →
  • Artigos



    Contribuinte executado paga mesmo quando ganha

    Por Igor Mauler Santiago As execuções fiscais são um estorvo para o Judiciário. Em 2012, por exemplo, elas representavam 31,75% dos 92,2 milhões de processos ativos no país[1]. A forma de lidar com o problema, porém, tem privilegiado apenas uma das partes, quando é certo que Estado e contribuinte têm no mínimo igual responsabilidade pelo seu agravamento: aquele, por editar normas inválidas e lavrar autuações defeituosas, dando origem a um mar de execuções inviáveis; os maus contribuintes, por frustrarem, não-raro [...]

    Leia mais →
  • RSS
  • Facebook
  • Twitter